Skip to main content

Anedota: Vingança Merecida

Um grande empresário industrial está a morrer.

A seu lado, o sócio segura-lhe, amigavelmente, na mão.

O moribundo faz-lhe sinal para se aproximar mais e murmura com voz fraca:
— Quero aliviar a minha consciência, antes de partir. O desfalque na caixa há três anos fui eu que o fiz.

O falso incêndio de há cinco anos fui eu que o ateei.

O assalto do ano passado também fui eu. E, como não te quero esconder nada, o amante da tua mulher era eu…

Podes morrer em paz — diz o outro. — O arsénico do uísque que bebeste ontem fui eu que o lá pus.